sexta-feira, 26 de abril de 2013

As músicas falam por mim


Quando eu soltar a minha voz
Por favor entenda
Que palavra por palavra
Eis aqui uma pessoa se entregando
Coração na boca
Peito aberto
Vou sangrando
São as lutas dessa nossa vida
Que eu estou cantando
Quando eu abrir minha garganta
Essa força tanta
Tudo que você ouvir
Esteja certa
Que estarei vivendo
Veja o brilho dos meus olhos
E o tremor nas minhas mãos
E o meu corpo tão suado
Transbordando toda a raça e emoção
E se eu chorar
E o sal molhar o meu sorriso
Não se espante, cante
Que o teu canto é a minha força
Pra cantar
Quando eu soltar a minha voz
Por favor, entenda
É apenas o meu jeito de viver
O que é amar


Numa época de funks, lerere e  tchutcha, é bom que vocês lembrem o que é música de verdade.
Essa música é uma das minhas preferidas EVER desde que me entendo por gente, é linda demais.

Sangrando - Gonzaguinha


sexta-feira, 9 de novembro de 2012

16-09-2005

Mais um texto do túnel do tempo, ele foi escrito do alto dos meu 17 anos, em um ano que tudo resolveu acontecer, primeira briga entre melhores amigos, primeiro amor se desfazendo , primeiro contato com a morte e com a solidão.


"...Tudo faz parte de um grande aprendizado, mesmo que às vezes as coisas sejam ruins e eu sofra, mesmo assim não vou e não quero me arrepender. Nada acontece por acaso, tudo tem o seu sentido e contribuição para o aprendizado e amadurecimento.
Afinal o que estamos fazendo aqui? Aprendendo. É por isso que não me arrependo de nada do que fiz, cada erro, cada vez que chorei, sofri, caí; cada uma dessas situações e sentimentos formaram degraus para o meu crescimento, sem eles eu não seria nada do que sou, não saberia nada. Eu sei que preciso passar por tudo isso...
Pra conhecer a felicidade tem que primeiro saber viver o sofrimento. Pra saber o que é amor, tem que saber o que é ódio. Todos os sentimentos são válidos, todos são necessários. Raiva, sofrimento, ódio, solidão, sem eles os outros não fariam sentido, eles se completam, caminham lado a lado..."

Pamela Antunes
16/09/2005

Porque isso me faz bem

Sabe, um dos meus problemas em publicar meus textos, é que eu não saberia a reação das pessoas. Tenho tantas idéias na minha cabeça, tantas. E sei que as minhas são bem diferentes das da maioria. E sei também que...onde está o senso de interpretação desse povo ?  Enfim, acho que é um preço a pagar, eu preciso me expressar, preciso mesmo, sempre precisei, e cada vez que tenho que reprimir uma opinião por que a maioria não ia gostar/entender, eu morro mais um pouquinho. O meu basta já foi dado há algum tempo, na verdade ele tem que ser dado todo dia, tododia. Então coragem, coragem e coragem. Demoro um tempo pra eu aprender que eu não sou obrigada a agradar todo mundo, sabe, eu não sou obrigada, tenho minha opinião bem crítica sobre a sociedade em geral, sobre esse sistema maluco e até sobre eu mesma e vou exprimi-la. Eu não quero discussão, pois se discute quando se quer provar algo e convencer o seu interlocutor. Não quero provar nada, não quero convencer ninguém (aprendi sobre dura provas que não se convence ninguém, a pessoa só muda por ela mesma e no tempo dela) quero apenas me expressar, por que isso me faz bem. Toda vez que escrevo um texto é um peso a menos nas minhas costas.

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

A pessoa


A pessoa trabalha das 8h a 17h, chega em casa, liga a TV, assiste a novela, assiste ao jornal da sua região, assiste outra novela, assiste o jornal “nacional”, assiste outra novela, nesse meio tempo entre o jornal e a novela, tem o seu jantar e depois vai durmir. Ops! Esqueci, agora tem mais uma novela e tem o Facebook! E depois vai durmir. No outro dia tudo se repete outra vez. Nessa linda rotina, não existe espaço, pra ler um livro, (não! o que é um livro?), pra conversar com a pessoa do seu lado (sim, olhe para o lado você vai se surpreender), não existe espaço pra entrar na internet e ler noticias de um site independente, por exemplo, (sim! existe mais sites do que o facebook, youtube ) ou até de pesquisar sobre um determinado assunto de seu interesse e ver os vários pontos de vistas que existem sobre ele e depois refletir e talvez ter uma opinião. Não, definitivamente não existe espaço pra tudo isso (!) na rotina da pessoa.
Mas sabe para que existe espaço? Pra reclamar, pra REPETIR o que escutou no jornal nacional ou viu no facebook, claro, porque a pessoa não precisa se preocupar se as noticias são falsas ou tendenciosas, afinal tudo o que eles passam no jornal ou compartilham no facebook é verdade, é lei.
Assim, a pessoa apenas repete a notícia, e reclama, e acredita que toda merda que acontece não tem nada a ver com ela, que o papel da pessoa é apenas assistir a TV, repetir e reclamar. E vive feliz. (?)

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Sonhos

Tenho sonhos tão reais, tão reais, que quando acordo fico perdida. Tão perdida, que preciso parar, respirar, olhar em volta e me localizar.
Quantas vezes não comecei a contar algo como se tivesse acontecido, e no meio do caminho lembro que foi um sonho.
Sonhos, sempre dei muito valor para eles, foi um sonho que me preparou para a fase mais difícil da minha vida.
Sonhos, encontro de almas.

domingo, 16 de setembro de 2012

Infelicidade

"...Vou revelar-vos a infelicidade sob uma nova face, sob a forma bela e florida que acolheis e desejais, com todas as forças de vossas almas iludidas. A infelicidade é essa alegria falsa, esse prazer egoísta, a fama enganadora, a agitação fútil, a louca satisfação da vaidade que faz calar a consciência, que perturba a ação do pensamento, que confunde o homem quanto ao seu futuro..."

 Kardec, Alan (1997), O Evangelho Segundo o Espiritismo. São Paulo: Petit

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Olhar para si

"..Antes de censurar os outros pelas imperfeições, vede se não se pode dizer o mesmo de vós. Empenhai-vos em ter as qualidades opostas aos defeitos que criticais nos outros,
esse é o meio de vos tornardes superiores; se os censurais por serem mesquinhos, sede
generosos; por serem orgulhosos, sede humildes e modestos; por serem duros, sede dóceis;
por agirem com baixeza, sede grandes em todas as ações. Em uma palavra, fazei de maneira
que não se possa aplicar a vós estas palavras de Jesus: “Vê um cisco no olho de seu vizinho
e não vê uma trave no seu..."
                                               
                                                               (resposta a questão 903, de O Livro dos Espiritos- Allan Kardec)

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Vibração dos sentimentos

Você pode não fazer a conexão, mas quando você reclama do funcionário de uma loja, em seguida seu vizinho liga reclamando que seu cachorro está latindo. Você pode não fazer a conexão, mas quando encontra um amigo para o almoço e ficam falando mal de um amigo em comum, em seguida você chega no escritório e descobre que tem vários problemas com o seu cliente mais importante. Você pode não fazer a conexão mas quando conversa durante o jantar sobre as notícias terríveis que acabaram de passar no jornal, não consegue dormir mais tarde com o estômago embrulhado.
Você pode não fazer a conexão, mas quando pára para ajudar alguém que deixou cair algo na rua, em seguida encontra uma vaga bem em frente á entrada do supermercado. Você pode não fazer a conexão, mas quando ajuda seu filho com o dever de casa feliz da vida, no outro dia descobre que sua restituição do imposto de renda vai ser maior do que esperava. Você pode não fazer a conexão, mas quando faz um favor para um amigo, naquela mesma semana seu chefe lhe dá duas entradas para um show que a empresa ganhou. Em todas as circunstâncias e em todos os momentos da vida, você está recebendo o que deu, quer você perceba a conexão entre os fatos ou não.

Byrne, Rhonda (2010), O Poder. Rio de Janeiro: Agir.


quinta-feira, 31 de maio de 2012

Egoísmo

" É o choque que o homem experimenta do egoísmo dos outros que o torna freqüentemente egoísta por si mesmo, porque ele sente a necessidade de se colocar na defensiva. Ao ver que os outros pensam só em si mesmos e não nos demais, é conduzido a se ocupar de si mais do que dos outros. Que o princípio da caridade e da fraternidade seja a base das instituições sociais, das relações legais de povo para povo e de homem para homem, e o homem pensará menos em sua pessoa quando vir que outros pensam nisso; ele sofrerá a influência moralizadora do exemplo e do contato. Em face da atual intensidade do egoísmo humano, é preciso uma verdadeira virtude para se desprender de sua personalidade em favor dos outros, que freqüentemente não sabem agradecer..." 

(Livro dos Espiritos, Allan Kardec. Trecho da resposta à questão 907)

terça-feira, 22 de maio de 2012